• Nenhum item no carrinho

A forma da luz
A forma da luz A forma da luz A forma da luz A forma da luz A forma da luz A forma da luz

A forma da luz

Fotógrafo: Horacio Coppola, Marcel Gautherot, Maureen Bisilliat, Thomaz Farkas, David Drew Zingg
Organização: Sergio Burgi, Samuel Titan Jr.

A forma da luz apresenta cinco belos momentos da fotografia no Brasil do século XX. Em cada um dos ensaios reunidos nesta coletânea, o leitor surpreenderá um grande criador às voltas com um instante decisivo, com um momento de descoberta — do meio fotográfico, da própria vocação artística e, não por último, do Brasil.
De perto: ao sabor do interesse vanguardista pelas artes ditas “primitivas”, o argentino Horacio Coppola vai a Minas Gerais para travar contato com a obra do Aleijadinho. Mar aberto: numa síntese notável de formalismo e etnografia, o francês Marcel Gautherot captura os ritmos da lida e da vida de uma comunidade de pescadores em Aquiraz, no Ceará. Pele preta: um ensaio fotográfico com uma mulher e um menino negros faz a inglesa Maureen Bisilliat abandonar as artes plásticas e embrenhar-se a fundo em seu país de adoção. Em jogo: com uma câmera na mão e muitas ideias na cabeça, o jovem Thomaz Farkas, nascido em Budapeste, converte o estádio do Pacaembu em protagonista de uma dança de luzes e sombras. Foto-gráfica: clicando sem pauta fixa, o norte-americano David Drew Zingg surpreende a alma encantadora e desencontrada das ruas brasileiras, a meio caminho entre o popular e o pop.
Concebidos a partir da coleção de fotografia do Instituto Moreira Salles, os volumes de A forma da luz foram publicados originalmente entre 2009 e 2013, em edições fora de comércio, que agora vêm a público para celebrar o trabalho de cinco grandes fotógrafos — e para investigar o que se dá quando a cabeça, o olho e o coração se alinham para redescobrir o mundo.

vol. 1 - Horacio Coppola - de perto
36p.
vol. 2 - Marcel Gautherot - mar aberto
52p.
vol. 3 - Maureen Bisilliat - pele preta
44p.
vol. 4 - Thomaz Farkas - em jogo
40p.
vol. 5 -  David Drew Zingg - fotográfica
40p.

 

Páginas: 212
Formato: 24 x 17 cm
ISBN: 9788583460114
Idioma: Português
Lançamento: Novembro/2014

R$89,90

Adicionar à Lista de Desejos

Horacio Coppola

Fotógrafo

Horacio Coppola (Buenos Aires, 1906-Idem, 2012) começou na fotografia em 1927 por influência de seu irmão mais velho, que usava uma câmera de grande formato. Autodidata, tendo como referência nomes como Félix Nadar e Edward Weston, aprendeu a fotografar nas ruas da capital argentina, registrando intensamente as mudanças urbanísticas, sociais e culturais da cidade. Em 1930, as fotos de Coppola ilustraram o ensaio Evaristo Carriego, de Jorge Luis Borges, de quem era amigo. Em outubro de 1932, aos 25 anos, partiu para uma temporada de seis meses em Berlim, onde consolidou a intenção modernista de sua obra. Estudou e atuou no departamento de fotografia da Bauhaus até seu fechamento pelo governo nazista, o que o forçou a sair da Alemanha. Em Paris, Christian Zervos, diretor dos Cahiers d’Art, encomendou-lhe seu primeiro livro fotográfico, L’Art de la Mésopotamie, sobre o acervo de arte suméria do Louvre e do British Museum. Por intermédio de Zervos, Coppola passou a frequentar as oficinas de Marc Chagall e de Joan Miró, cujos retratos publicaria em Paris. De volta à Argentina em 1936, publicou suas fotos no livro Buenos Aires, 1936, visión fotográfica, com textos de Alberto Prebisch e Ignacio Anzoátegui, encomendado pelo prefeito Mariano de Vedia y Mitre em homenagem ao quarto centenário da cidade. Nesse mesmo ano, produziu Así nació el obelisco, sobre a construção do monumento que simbolizava a cidade arcaica. Em 1937, abriu um estúdio fotográfico voltado para a publicidade com sua mulher, a fotógrafa alemã Grete Stern, que conhecera no período passado na Bauhaus. Montou também uma editora, La Llanura. Coppola começou a trabalhar com fotografias em cor em 1960 e, nas décadas de 1970 e 1980, atuou também como professor.

Marcel Gautherot

Fotógrafo

Marcel Gautherot (Paris, 1910-Rio de Janeiro, 1996) estudou na Escola Nacional de Artes Decorativas e trabalhou alguns anos como arquiteto de interiores e projetista de móveis. Em 1936, ingressou no Museu do Homem, no qual desenvolveu seus conhecimentos técnicos de fotografia. Em 1939, viajou pela primeira vez ao Brasil, para uma expedição que começaria na Amazônia e terminaria no carnaval do Rio de Janeiro; a viagem foi interrompida no início de 1940 pelo início da Segunda Guerra Mundial. Depois de poucos meses junto às tropas francesas no Senegal, Gautherot voltou ao Brasil, onde viveria pelo resto da vida. Radicado no Rio de Janeiro, em mais de meio século de vida no Brasil, Gautherot viajou por todo o país, produzindo uma obra fotográfica de valor documental e qualidade artística incomparáveis.

Maureen Bisilliat

Fotógrafo

Maureen Bisilliat (Englefieldgreen, Inglaterra, 1931), fotógrafa e documentarista, foi bolsista da Fundação Guggenheim (1970), do cnpq (1981-1987) e da Fapesp (1984-1987). Chegou ao Brasil em 1952, aqui se radicando. Iniciou na fotografia em 1962, tendo atuado por dez anos nas revistas Realidade e Quatro Rodas. Essas andanças resultaram na elaboração de um projeto traçando equivalências fotográficas dos mundos retratados por Euclides da Cunha, João Guimarães Rosa, Jorge Amado, João Cabral de Melo Neto e Adélia Prado. De 1972 a 1977, visitou com frequência o Xingu. Em 1979, lançou, em coautoria com os irmãos Villas-Bôas, a publicação Xingu/Terra e participou com uma sala especial da XIII Bienal de São Paulo (1975). Em 1988, foi convidada por Darcy Ribeiro para contribuir na criação de um acervo de arte popular latino-americana, do qual nasceu o Pavilhão da Criatividade no Memorial da América Latina. Foi diretora deste espaço de 1989 a 2010. Em 2003, o Instituto Moreira Salles adquiriu seu acervo fotográfico. O interesse do Instituto Moreira Salles pela sua obra reavivou o interesse da própria autora por seus trabalhos, até então esquecidos nos armários do tempo. O Prêmio Porto Seguro de Fotografia, a Ordem do Ipiranga, a Ordem do Mérito Cultural e a Ordem do Mérito da Defesa, recebidos todos no ano de 2010, indicam a repercussão dessa redescoberta.

Thomaz Farkas

Fotógrafo

Nascido em Budapeste, Hungria, Thomaz Farkas (1924-2011) chegou ao Brasil aos seis anos e tornou-se um dos mais importantes nomes da fotografia moderna no país. Sua imersão no universo da fotografia ocorreu muito cedo, pois a família era dona de lojas de artigos fotográficos. Em 1949, realizou sua primeira exposição individual, Estudos fotográficos, no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Em sua obra, convivem extremos, como os elegantes estudos de movimentos e de corpos em contraluz que produziu sobre o balé, nos anos 1950, e a série de imagens coloridas sobre a pobreza brasileira, que realizou nos anos 1970 no Amazonas e na Bahia.

David Drew Zingg

Fotógrafo

David Drew Zingg (1923-2000) já era um fotógrafo conceituado nos EUA – trabalhou para as revistas Look, Esquire e Vogue – quando conheceu o Brasil. Em 1959, desembarcou no Rio de Janeiro a trabalho e pouco tempo depois mudou definitivamente para o país. Por aqui, registrou momentos fundamentais da bossa nova, como a estreia do show “O encontro”, que reuniu em 1962, no Rio, Tom Jobim, Vinicius de Moraes, João Gilberto e Os Cariocas. Na exposição organizada pelo IMS serão exibidos 22 retratos de cantores e compositores brasileiros, entre eles Pixinguinha, Ataulfo Alves, Dorival Caymmi, Vinicius de Moraes, Cartola e Jamelão. O Instituto Moreira Salles adquiriu seu acervo fotográfico com mais de 150 mil imagens.